domingo, junho 17, 2007

Versículo do Livro

"
Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste Abraão?

Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.

Então pegaram em pedras para lhe atirarem;"

domingo, maio 27, 2007

por aqui te tenho procurado
e tenho expirado
os vapores da memória
da tua beleza que me desequilibra

por aqui tenho rojado
e tenho inspirado
a velha saudade
desse olhar que resguardo

por aqui tenho fluído
e tenho sentido
a falta do teu sorriso
desse trejeito que me faz viajar

por aqui


quinta-feira, maio 24, 2007

quinta-feira, maio 10, 2007

Tua face
porto de belas trocas
onde barcos se carregam
da beleza que transportas

Teus olhos
janelas desse mar
profundo de tranquilidade
onde me perco ao mergulhar

Tua boca
ponte de teu rio
soa a vida e teus poemas
suaves gestos de cicio

Teus cabelos
rasgos de criatividade
exposições de teu pensar
alegórica originalidade

Teus passos
ponderados
com quem se cruzarão ?


quarta-feira, maio 02, 2007

para mares nunca de antes navegados
fluí com a vida
em rios de sentimentos
de rochas carregados

e nos meandros de águas paradas
senti o ritmo de um saxofone solitário
a leve melodia de um amor traçado
as histórias, rochas sedimentadas
coisas velhas de um passado
como leves gotas de água que caem!

vi gesticulares pássaros a dançar
nesse fio de vento
que cobre terra, que cobre o mar
pinturas de sublime imaginação
coisas da vida, belezas da criação
e eu e tu, dispersos a sonhar

ahh meu amor! ...

há entre nós um momento
que transporta uma beleza rara
de simples cumplicidade
é um desejo de amar
por aí a amarar

(não há fotografia para este texto, apenas uma música num vídeo a acompanhar)

domingo, abril 29, 2007

Esse leve escoar de tempo
que nos transporta
pelo longo caminho da liberdade
onde nos cruzamos
nos encontramos
falamos
das coisas que o tempo mudou
o sabor do pão que se altera
e tantas outras maravilhas
que Deus assim criou

conta-me uma história de uma vida
a história da tua vida
pinta-a de simplicidade
veste-a de vitórias
calça-a de humildade
e montemos resistência
forte de luta nessa rocha
porto comum de abrigo
às prisões da rotina
e lutando e resistindo
é resistir é vencer



















liberdade

quinta-feira, abril 26, 2007

minhas linhas grainhas da uva-arte
sumo de vida, amor de te amar
breves exposições, do desejo de expressar
a beleza de outras linhas
que transcendem a minha percepção
velha casa
de madeira que parte


















Mas o que fazer quando o motor do eléctrico deixa de funcionar ?

quinta-feira, abril 19, 2007

esse teu vinho embriagador
levou paredes quando transbordou
encheu-me de silêncio
e de uma paz que me fala
da pequena criança
que me esqueci que sou



vagarosamente eu e tu
preenchendo espaços
alcançando leves derrocadas
apreciando o travo desse paladar
de novos dias
com esse novo madrugar

quinta-feira, abril 05, 2007



















minh'alma
de branco pintada
abriu a porta à morte
quando esta nem se mirava

e caíram pétalas rouge
na superfície do meu corpo
quando flutuava no lamaçal
dessa conhecida morte

agora minh'alma
vazia e desajeitada
paredes rouge
muitas obras
e um fado novo
uma nova sorte

sexta-feira, março 30, 2007

"Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação." Tiago 1:qualquer coisa...




















Hoje: um versículo, uma imagem e algo perfeito. Obrigado paizinho.

quarta-feira, março 28, 2007

Versículo do Livro

"O coração do homem propõe o seu caminho; mas o Senhor lhe dirige os passos."

Provérbios 16:9

terça-feira, março 27, 2007

meus poemas
são mantas de retalhos
velhos quadros de quem pinta
um destino formal à liberdade
de palavras soltas
assim:
eu, grande ditador
poeta de coração
e outra coisa qualquer
de vocação

umas vezes triste e descontente
outras alegre e sorridente
umas vezes pela vida
e falta de perdão
mas hoje tudo
por amor e paixão





































Tive uma ideia: vamos fugir ?

sexta-feira, março 23, 2007




























a voz do poeta
clama
doce e quente
por um amor que tocou
fria e desalmadamente

quem controlará a força das palavras ?
dor que mói
crispação de seu bramido
palavras forçadas
a terem um sentido

a voz do poeta
ditadura
pesada e âncora
amor que cola palavras
suave prisão que perdura

quinta-feira, março 22, 2007

hoje sonhei contigo
meu amor
abraçada a um carnaval
tocamo-nos,
trocamos gestos
e alimentaste-me desses pedacinhos de ti

eu, pombo
todo de madeira
sacio-me com as migalhas que deixas
que me consomem numa chama
que arde sem se ver
e que toca sem se ouvir
a música deste carnaval
onde se parte mais uma corda
desta velha viola que sou
até quando tocarei a música da vida ?


segunda-feira, março 19, 2007

encontro-me
n'O sítio onde nasci
sou o grande Alão
que mata e morre mil
vezes 70 vezes 7 vezes
70 vezes 7 vezes
sem fim...

bucólico, anónimo
nesta terra de montes,
que tantas vezes acarto
que tantas vezes percorro

















de onde me virá o socorro ?

sábado, março 17, 2007

Felicidade

És tão bela e aprazível,
És para nós ambos razão de tristeza

felicidade, um esgar
felicidade, urticante
felicidade, dilacerante

eu feliz,
tu feliz,
eu e tu, infelizes




(hoje quebram-se-me as fotos, deixo porém algum pensar, uma música, e um ligeiro pesar)

A felicidade

sexta-feira, janeiro 19, 2007

















ao ver a tua face
liberta-se um mensageiro
que corre, e pula
entre belas paisagens de prazer
de lagos e cascatas
luas e suas estrelas
para me vir falar
das cores do teu ser
dos brilhos do teu olhar