quinta-feira, julho 30, 2015

Vi o Tejo ao fundo

com a sua calma milenar
e seu silêncio mineral

preferiu continuar a passar
enquanto de longe o olhava

esse momento guardou perto
na pedra da sua saudade

Sem comentários:

Enviar um comentário